TERRA MATER, TERRA MÁRTIR


21723_435213853194221_1214626352_n (1)TERRA MATER, TERRA MÁRTIR
Ai, minha Terra Bendita,
Rainha!
Minha Humanidade esfacelada,
Por mim, tão bela,
Jamais te cales!

Que se erga tua voz,
Além de todas as vozes,
Que teu sangue vá no altivo voo de todas as águias,
Renegando toda a atrocidade!

Minha Terra Mater, linda como o sol ao poente,
Mártir em desertos de escorpiões esfaimados,
Em teu próprio ventre gerados,
Expulsemo-los!

Minha Terra,
Minha Mãe,
Quão ferida permaneces.
Levanta teus olhos vermelhos de pranto!

O poente e o nascente beijar-te-ão,
Como eu, para todo o sempre!

E, quando exaurida te prostrares,
Ainda que por instantes,
Cerra tuas entranhas ao fogo de Lúcifer!
Vomita-o com fúria de ti mesma!

Jamais o detenhas!

Tem piedade de teus filhos estilhaçados,
Pelo solo tão aflito!

Depois, rende-te ao Amor,
Celebra a Paz conquistada,

Como cerimónia de igualdade,
Minha tão bela Humanidade!
Recorda-me somente como mais um hino,
Sôfrego de Ti,
Minha Mãe,
Minha vitoriosa Terra…
Terra amada!

© Célia Moura – Do livro “Enquanto Sangram As Rosas…”
(Imagem – Obra de David Edward Linn)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s