PERDOAI SENHORES


1920403_624389764276628_356416405_n (1)PERDOAI SENHORES
Perdoai Senhores,
A anarquia das giestas em ousados devaneios!
Não vos vingueis,
Queimando-as em seu suplício!

Perdoai Senhores,
As vozes dos profetas
Anunciando-vos a tristeza
Em trajes de poeta!…
…E, perdoai a estes,
As mais humildes trovas,
Silenciosas rebeldias lapidadas
No sangue a jorrar das madrugadas!

Reverenciai Senhores
O canto da cotovia perdida, e o saltitar dos pardais
Em singelo labutar!

Perdoai Senhores,
Os hirtos espinhos das mais belas rosas que colheis,
E a revolução das flores silvestres,…
Constante tormento exposto ao vento!

Vós que sois tão alegremente sorridentes,
Não julgueis o pranto à irada tristeza chorando-vos
Sob a Lei!
Sabeis que permanecerão os gritos de escárnio
Ferindo os mais nobres corações?
Não os condeneis à Inquisição,
Pois em arrebatamento súbito
Serão exaltados!

Perdoai, vos rogo,
Ó poderosos da Justiça
Os lamentos da angústia em sacrifício,
Renascida e liberta nos olhos das eternas crianças,
Aconchegadas no regaço das sereias!

Senhores do Mundo,
Perdoai-lhes a pureza
Que jamais entendereis em vosso pedestal de platina!

Ó marionetas superiores,
Em círculos de cobiça,
Que mesmo ao cairdes, subis,
Sorvendo a mentira acobardada
Por taças de fino cristal,
Até resplandecerdes em mortiça luz,
Por vós mesmos acendida,…
Perdoai!

Absolvei Senhores,
Vos imploro,
A renascida náusea,
Em minha nudez redimida,
E meu sangue a transbordar desdém,
Quando em preciosa solidão vos contemplo a essência!

De vossos esbugalhados olhos em cegueira manifestos,
Chorarei o ouro refinado e vão que adorais prostrados
Cobrindo-vos o corpo de pó,
E o espírito de submissa soberba!

Renunciai Senhores,
Que o tempo urge!…
Perdoai e sereis perdoados!
Então, perante quimeras de Luz invocadas no amanhecer em preces,
Todos os poetas vos consagrarão,
E libertários sereis entre as lápides
No imortalizado sémen das palavras despertas.

“Desgraçado o Homem, mas feliz o artista a quem o desejo dilacera.”
(Charles Baudelaire)

© Célia Moura – Do livro “Enquanto Sangram As Rosas…”
(Pavel Mitkov Painting)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s