METAMORFOSE


522403_489910047724601_1870887818_n (1)METAMORFOSE
Tanto é o veneno
a escorrer a podridão dos dias,
quando cai a náusea do medo
no entardecer dos cabelos…
o húmus nas cidades gerado!

És o carrasco,
amante amargo no âmago das trevas
sorvendo as águas a todos os riachos!

Que fosso, que lodo
te faz vibrar assim,
ó louca soberba,
a espernear na alma das crianças famintas
apenas de paz e pão?!

Ó Humildade, onde escondes teu rosto,
quando finalmente desvendadas,
as cobras têm olhos de gente?…

…E, sobem às mais altas árvores,
imponentes,
porém, rastejando sempre a maldição
do seu próprio ventre.

E, na seiva que de ti jorra temporais,
dessa escória que te possui,
ó alienado,
vais rindo, rebolando e remexendo,
embriagando escorpiões atormentados,
e ofereces o deserto aos devastados corpos já sugados.
Esses órfãos corpos que não te atreves beijar,
porque te cheiram à fragrância das flores silvestres,
e não ousas suportar!

© Célia Moura – Do livro “Jardins Do Exílio”
(Ilustração – Obra de MJTiccino)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s