Nega-me o sangue


553100_456614421054164_1488776158_n (1)Nega-me o sangue
das papoilas a brincar
por entre o vento
a carne das madrugadas,
essência de ti.

Nega-me todas as Ninfas
todas as promessas,
os mendigos e as pérolas.

Nega-me o limbo
e eu suspendo
esta Dor que dilacera e me escorraça
como maldita e me ultrapassa!
nega-me a paixão se assim quiseres,
a benção de um abraço entre
gargalhadas de crianças.

Nega-me tudo meu amor,
mas nunca eu!

© Célia Moura
(Ilustração – Andre-Kohn)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s