Deixa-me ir morrer no teu ventre


1656327_750762741674217_2743526758961624102_n (1)Deixa-me ir morrer no teu ventre, e ser raiz de qualquer giesta sorridente, pedaço de terra bendito e um manto de xisto para me cobrir todas as memórias.
Fróia, meu amor.

© Célia Moura
(Fotografia – Ribeira de Fróia – Proença-A-Nova)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s