Crianças choram pela estrada, Mãe


10898002_755747414509083_4205674554400029928_n (1)Crianças choram pela estrada, Mãe
Mãe
Onde foi que te perdi?
É duro olhar para ti,
Ver teu sorriso feliz
E ter a consciência que não somos mais
Eu e tu.

Ainda há tantas crianças que ficaram
A chorar pela estrada
Mãe.

Embriagas-te de Yves St. Laurent,
Colocas o esmalte nas unhas de acordo
Com a cor do vestido,
E anéis de bijuteria em todos os dedos
Queres lá saber do resto!

Tamanha a tua dor Mãe,
Que na vida nada mais resta
Senão uma festa inventada por ti
Onde és anfitriã de uma casa vazia
E de novo a jovem inocente de vinte anos.

A minha maior ausência
É ter-te sem te ter Mãe,
É nem sequer poder dizer o quanto te amo,
Porque raramente me permites falar.

Quem me dera por momentos
Voltar a ser a tua menina,
Aninhar-me nos teus braços
E ouvir-te cantar baixinho.

Nunca mais chorámos as mesmas angústias,
Nunca mais nos rimos das mesmas coisas
E eu continuo a perguntar-me sem cessar
Onde foi que te perdi Mãe amada?!

Onde foi que perdi o teu Amor
O teu riso simples, a serenidade do teu olhar
Sempre que me olhavas?!

Não sei Mãe, não sei…

Sei que jamais te direi Adeus,
Porque continuas a fazer-me falta
E tem tantas crianças chorando pela estrada.

© Célia Moura – Nov/2014
(Dawid Lozinski Photography)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s