ÁRIDA, A POEIRA DA SAUDADE


15876_778272778923213_2730303346906179491_nÁRIDA, A POEIRA DA SAUDADE
Em todas as ausências te proclamei
Oceano,
Nas palavras semeadas ao poente do atroz deserto,
Escorpiões de solidão atormentados,
Te beijei,

Hálito oferecido de poeira,
Agonia de saudade,
Alegremente cantando em espírito saciado da Luz Maior…
…e, em todas as estradas te chorei.

© Célia Moura, in “Enquanto Sangram As Rosas…” 09/02/2015
(© Hossein Zare Photography)

Anúncios

2 pensamentos sobre “ÁRIDA, A POEIRA DA SAUDADE

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s