Reinvento-me no embrião


11412146_832886360093633_3464935797990453948_nReinvento-me no embrião
Dos laços e dos abraços
E sigo como o comboio
Que sempre leva mais um passageiro
Já quis criar raízes,
Já vesti bandeiras mas delas me despojei.
Antes a nudez de mim que o sangue do meu Irmão!

Os sapatos que calcei sempre foram demasiado apertados
E nunca aprendi a andar descalça,
Os vestidos sempre os preferi usados
E a vida foi o avesso de todas as indumentárias possíveis.

Quando olhei em redor estava exausta de brincar
Num jogo de adultos onde não pedira para entrar.

Por isso sento-me de novo debaixo da nespereira do meu quintal
E não ambiciono nada.
Ambicionar é uma mão tão aberta quanto fechada de coisa nenhuma.

Olho para a ternura dos olhos do meu cão
E permaneço assim
Sem idade
Com brincos de princesa nas orelhas
Ouvindo melros ao entardecer
E a eterna voz de minha Mãe
Chamando-me para jantar.

© Célia Moura (a publicar)
(Maria Zeldis Painting)

Anúncios

2 pensamentos sobre “Reinvento-me no embrião

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s