DORES


E-os-sofrimentos-do-tempo-presenteDORES
De: Joel Cavalcante
Para: Célia Moura
“Cada um com o seu sofrimentos
Uns ditados pelo nascimento
Outros apanhados na vida
E tão particulares que ninguém entende

Toda a dor alheia é menor que a nossa
Embora na verdade dos espinhos
É o que nem de longe pode imaginar
Sofrimento que se comparado aos que temos
Diria que em doce paraíso vivemos

Existem tantas dores maiores
Edifício sombreando a nossas casinhas
Existem tantas dores atrozes
Maiores que a vida de cada um
Que uma da outra se alimenta
E uma dá mais vida para a outra
Em uma antiecologia quase perfeita
Que se multiplicam em filhos e netos e…
A geração é maior
* Que as areias da praia e as estrelas do céu

Cada um com a sua dor
Como órgão do próprio corpo
Uma espécie de coração ao lado do coração
Cada um com a sua dor
Cada um com seu espelho mágico
Jogando neles imagens tão tristes
Querendo-as transformadas em felicidades
E mesmo que não seja nem um pouco egoísta
E queira compartilhá-la com qualquer um
É um casamento sem traição”

Joel Cavalcante

(18/01/2015)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s