É de frescas rosas


13413137_1317757551571012_7400716450326983977_nÉ de frescas rosas
Que te olvido e exorcizo,
Inóspido vácuo em desalinho extraviado,
Prenhe de desafio!

É de sarcasmo,
Ó ilusão,
Que te empresto meu condão
De diamantes trucidados
Na blasfémia do deserto.

É de agonia,
Que te embalo (como um filho não parido),
Minha paixão a sorrir grinaldas,
No exílio da loucura;
E é de eterniadade
Que te beijo e minto,
Ó alma faminta,
Amor vadio,
Escarnecido em supremo enleio,
A respirar o Universo
Num punhado de sorrisos arrebatados
Em geniais transes de pensamento.

© Célia Moura – in “Enquanto Sangram As Rosas…” – Ed 2010
(Ilustração – Imagem “Google”)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s