Gaivota


13445553_1323287661018001_2574121014239256528_nGaivota
de asas mutiladas,
onde vais?

Que agonia te não consome ainda,
esse alento de voar,
no sopro da noite tão fria,
que irmpele teu peito desfeito
a rastejar?

Gaivota
de asas quebradas,
quem dera que,
por um instante te visse voar,
num rasgo pleno,
cruzando o horizonte do medo,
antes do alívio da morte
te consumar!

© Célia Moura – in “Jardins Do Exílio” – Ed 2003

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s