Translúcidas madrugadas


13533052_1325462504133850_2168982179598796845_nTranslúcidas madrugadas despertam,
espreguiçam silêncio
por entre os poros dilatados
da inércia.
Por entre o espaço,
tombam pérolas,
entre transes enunciados,
oceanos!

As rosas vermelhas são compulsivas
por entre palavras rasgadas,
magoadas
através de baladas de cristal
inebriadas de ausência.

Translúcidas madrugadas perfeitas
calam esta dor embrionária.

© Célia Moura – in “Vestida De Silêncio” – Ed 2000
(Imagem – “Google”)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s