Seu cheiro


10615569_788235254593632_8903268302577826646_nSeu cheiro
Do seu corpo guardo o cheiro a fêmea,
A única que me conteve de lés a lés
Sempre que seus olhos me incendiavam
E neles naufragava
Somente para me salvar.

Ainda lhe ofereço as mesmas flores,
E ao entardecer
Por vezes visito seu sono
Com poesia nas mãos.

Sento-me no verde do chão
E creio que por um instante veloz
Pressinto o palpitar suave de um coração,
É quando parto inaugurado de luz
Desta ausência de silêncio
Que guardo em segredo
Seu cheiro que em mim habita
Embriagando-me de jasmim,
Imaginando-a empoleirada
No varandim desnudado da memória
Gargalhando como uma criança
Entrelaçada em mim
Cantarolando para o mar
Até finalmente adormecer em seu porto de abrigo
Nossos corpos
E permanecer lauta.

© Célia Moura – poesia a publicar
(Fabian Perez painting)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s