Isso meu amor


14224794_1065613866820880_4991501622359310537_nIsso meu amor, devagar,
Lentamente quanto uma serpente rasteja
Até à presa,
Estende teus braços até mim.

A floresta não arderá, nem o sol se despirá
Até que a Tribo te incense
E eu te beije tão ternamente,
Tão apaixonamente até morder teu sangue
E banir todas as açucenas do meu ventre
Outrora teu jardim.

Isso meu amor, vai com o vento
Leva todos os pedaços.
Ele sim te purificará no incessante fogo
Só ele terá misericórdia de ti.

Eu parti enquanto bebia licor
Com aloé vera nos olhos
Cravos vermelhos espetados
Entre o crânio a a medula
Com meu ramo de noiva
Encalhado no coração.

Vai!
Enlouquece nas orgias
Até saboreares toda a dor, toda a loucura animal
Que se esvai até à santidade ou até à morte
E sente o pó debaixo do teu ventre de serpente.

© Célia Moura (10.Set.2016)
[Fotografia – Desconhecida a sua autoria (“Google”)]

Anúncios

4 pensamentos sobre “Isso meu amor

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s