A TUA DOR IRMÃO


A TUA DOR IRMÃO

Art/e (c) Miquel Peiró Crespi Photography

A TUA DOR, IRMÃO
Doem-me todas as palavras
No teu corpo de solidão
Enquanto a madressilva me sorri.

A Liberdade de um grito
Cravado em mim
Que desconheço.

Doem-me inclusivé as sílabas
Dos teus lábios de silêncio
Em redor da enseada.

Doem-me castiçais de prata
Transbordando corvos feridos,
E sementes que jamais germinarão.

Dói-me este pão de cada dia
Irmão,
A tua fome que encerro em mim,
O teu frio que me rasga por inteira.

Dói-me este sangue de traição,
Esta ânsia de jasmim,
Este beiral de pardais,
Pedaço de ti.

Dói-me a luz da cidade desperta.
Mata-me o desassossego do fado
Que me liberta e santifica
Num altar de cravos e madrugada…

e finalmente já exausta de mais um hino à tua, nossa Dor
Meu irmão,
Todas as palavras me doem,
Seja qual for o Caminho!

© Célia Moura – in “Enquanto Sangram As Rosas…” (p. 8), 2010
(Ilustração – Miquel Peiró Crespi Photography)

Anúncios

3 pensamentos sobre “A TUA DOR IRMÃO

  1. A minha gratidão pela sensibilidade das suas palavras ZéCarlos.
    Aceite o meu abraço.

  2. Um belissimo poema que não pode deixar indiferente quem o lê e acompanha cada palavra e sentido. A sensibilidade poética na vivência dramática da própria vida ou o retrato cruel de quem sofre.Parabéns.

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s