A Sophia de Mello Breyner


13592171_1050642721686216_4379691227239267953_nA Sophia de Mello Breyner
Aquela madrugada que irrompeu em nós
*“dia inicial e primeiro”,
Esses ventos anunciando germinação
Aquela madrugada em que das cinzas renascemos
Sophia,
Repousa-me na garganta em estilhaços.

Aquele hino que ao colo do meu Pai
Há décadas ansiado
Sorrindo cantarolei,
Aqueles belos cravos vermelhos,
A transbordar sangue fervilhante
De mim
Hoje são farpas rasgando-me as entranhas
Toda a quimera que inventei.

Aquela madrugada algures já perdida,
É como um denso nevoeiro
Onde ouço o grito da fome
Do meu Irmão
A sussurrar clemência pelo chão,
Passa por ele tanto capitalista
Mas nenhum lhe estende a mão.

Cegueira instalada e brutal
Desdém!

Pobreza mais miserável que a própria fome
É a condenação à mesma!
Tal qual uma manta de retalhos
Velha e dolorida.
Fomos vendidos
Hipotecaram nossas vestes
Cobrindo-nos de maldição e vergonha.

Vertem lágrimas
Os craveiros vermelhos que gritaram
No peito daquela madrugada
Repousa tu aí sabedoria eleita,
Teu leito de Liberdade,
Eu permaneço pela enseada
Nas asas das gaivotas
A cantarolar como se ainda estivesse
Ao colo do meu Pai.

(*Sophia de Mello Breyner)

© Célia Moura, 16.08.2015

Anúncios

2 pensamentos sobre “A Sophia de Mello Breyner

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s