Que eu não seja tua terra hostil


terra-hostil1Que eu não seja tua terra hostil
nem o capim onde sossegam
manhãs vagabundas de geada
por teu ser.

Virá um tempo em que te lembrarás
de sorrir de novo
Um tempo em que te recordarás de ti próprio.

Hão-de amanhecer dias e gritar madrugadas
para que tenhas tempo de lembrar todas as loucuras
e de mim.

(©) Célia Moura
(Jean Claude Sanchez Photography)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s