As Mães Nunca Morrem


1618688_597737596976733_531965829_n (2)As Mães Nunca Morrem
Não,
As Mães nunca morrem!

Mãe é Luz acesa
Na imensa escuridão da noite,
É vida primeira
Na nossa vida,
Bandeira de Amor hasteada
Em todos os palcos, prantos e sorrisos
De nós.

Mãe,
É pele primeira, é sangue, é cordão umbilical
É grito de dor e alegria maior,
Sublimação das esferas,
Deusa de todas as quimeras!

Mãe,
Poderá ser primeira e derradeira palavra.
É fragata em alto mar,
Sobrevivente,
A todas as preces.

Ainda que se despedindo
Em seu último fõlego,
Mãe não parte!

As Mães nunca morrem!
Sempre no Inverno, na Primavera, no Verão e no Outono
Elas estarão acolhendo seus filhos pela mão
Plantando flores diversas em seus peitos,
Sussurrando sábios conselhos
Na voz da maresia,
Em cada gaivota que passa.

Mãe,
É, e será sempre teu cais de silêncio
Tuas mãos entrelaçadas na berma da Ternura
Desafiando o Tempo.

Elas ficam do outro lado,
Fiando memórias,
Tecendo a eternidade,
Aguardando-nos.

© Célia Moura – (A publicar) 4/4/2013
(Imagem – Andy Prokh Photography)

Anúncios

5 pensamentos sobre “As Mães Nunca Morrem

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s