Não Esquecerei O Teu Rosto


Não Esquecerei o Teu Rosto
Ainda que corresse veloz
Como a água desta ribeira
Onde banho meu corpo
E da gaveta onde guardo
Memórias com sabor
A alecrim
Me roubassem a chave
E perdesse a tua voz
Os teus gestos
No corredor do tempo
És eu!
Meu cálice de vida transbordante
De silêncio,
Vértice de loucura,
Linho entre minhas pernas
E jasmim nestas mãos
Que não sabem dizer-te
Adeus.

E, ainda que de prazer
Entre os nenúfares
Eu não te saboreie mais
E nenhuma prece ouvida
Verta o pranto
Da minha rendição,
A ti prometo
Não esquecerei a Luz do teu rosto.

© Célia Moura, a publicar “No hálito de Afrodite”
((Ilustração – Obra de Costa Dvorezky)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s