Não me estilhacem os recém-nascidos sorrisos


Não me estilhacem os recém-nascidos sorrisos,
porque não permito!

Nem me despedacem a alma,
nesta agonia maior de ser só, qual jangada perdida no Oceano
a baloiçar quimeras!

Sabeis que ninguém a poderá possuir?

Nem na Alegria,
ou na aflição da loucura,… Não há Ninguém!
Ninguém!…Ninguém aqui…Ninguém além!…
Condenação Suprema!…
Esta alma é somente minha!

Podeis julgar-me
nos condões da insubmissão,
que de mim transbordam,
podeis estancar-me o sangue na medula da existência,
porém,
jamais podereis encontrar a chave para serdes meus companheiros na agreste jornada!

Deitei-a fora,
no Cabo das Tormentas…
Oferecia-a ao mar,
meu amante,
minha voz maior,
meu amor mais sublime!

© Célia Moura, in “Jardins Do Exílio”
(Victor Bauer Painting)

Anúncios

2 pensamentos sobre “Não me estilhacem os recém-nascidos sorrisos

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s