ALDEIA [Poesia-Dita]


Poema de © Célia Moura – dito pela própria

ALDEIA
Tenho o Ocaso
Instalado no lugar do meu ventre
E um Caos
No lugar do coração
Enquanto um gato cor de mel
Me lambe as feridas de Maio em flor.

Tenho melros nos pés
E cerejas no revolver dos sentidos
Quando o trigo se agita
Como o pulsar do teu grito
Dentro em mim,
E o Caminho dos exílios se abrisse para nós
Para que as rosas finalmente cessassem o seu pranto…

Sinto escassas todas as pérolas
Em lábios suculentos de romãs.

Tenho o licor dos dias
Nos beirais das portas e o rosto da minha avó sorridente
No entardecer da espera,
Enquanto minha voz a chamava encalhada numa quimera,

E ela…
Ela sempre me respondia.

Sinto seus passos pelo chão do sobrado,
Suas mãos esguias moldando o queijo,
Como quem molda a poesia,
Suas preces pela alvorada.

Sinto silêncio.
Contemplo aquela última casa branca do povoado.

Tenho uma aldeia instalada
No lugar do coração,
É onde os pássaros liberam
Naufrágios da infância
Em meu repousar.

A Proença-a- Nova e aos meus avós.

© Célia Moura – “Terra de Lavra” (22/05/2011)

Anúncios

Um pensamento sobre “ALDEIA [Poesia-Dita]

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s