NO ÚTERO E NO PÓ


Se este poema não estivesse assinado por mim, poderia ser um dos meus eleitos, mas como lamentavelmente ou não, fui eu que o assinei porque o escrevei, tropeço-me neste meu ser, neste meu sentir.
C.M.

10394027_747553618661796_1979736573789413200_nNO ÚTERO E NO PÓ
Surges
Na cálida brisa da tarde,
Como Deusa
No cume da trave talhada
A ouro
Com rosto de prata,
Boca de serpente mansa,
Vestindo de fogo
O sexo.

És a mulher,
A prostituta doce
Dos seios firmes,
Da madrugada,
Dos vãos de escada…
Serpenteias em rituais loucos
Sob a máscara de cristal
Estilhaçada,
Chupando o sangue
Às rosas inventadas
Do Jardim.

Quem sabe se não serás a Musa,
Por quem os poetas clamam,
Ou o flagelo dos dias
E dos rostos baços?
Agora,
És somente
A Afrodite dos tempos
E do desalento.
Da carne!

Mulher ,
Mito ausente
Na verdade e no ventre
Cuspindo a semente da raiva
Ao vento norte.

Mulher saudade,
Saudosa do regresso,
Dos hinos ao Sol,
Dos campos férteis do acaso,
E da Festa
Que as crianças sábias comemoram
No hálito das estrelas.

Terás talvez
Que encarnar a inocência
Na face uterina da noite,
Quando a voz estrangulada
Já não soar a grito,
Num pedestal de pó descarnado…

Uma sombra descerá
Com rosto brando
De anjo,
Sob a pia baptismal
Te despirá!

© Célia Moura, in “Vestida De Silêncio” 06/11/2011
(Stefan Beutler Photography)

Anúncios

7 pensamentos sobre “NO ÚTERO E NO PÓ

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s