Mãe


13938360_1078557552228066_1935209318475581598_nMãe
Vou ali à aldeia cimeira comprar um pedaço de vento
Para o jantar e um sopro de luar para a ceia,
Beberei licor de rosmaninho e mel na eira
Mas trago-te um pouco na ternura dos olhos
E na volta quando doar meu corpo à ribeira
Não esquecerei o cântaro de barro
Que me ensinaste a colocar à cabeça
Sempre que na nossa casa chilreavam recém-nascidos
Os pássaros.

Mãe
Coloca a mais bela toalha de linho bordada na mesa!

© Célia Moura, a publicar (14/08/2016)
(Ilustração – Leon Perrault)

Anúncios

2 pensamentos sobre “Mãe

  1. Belo…em todo o amor do mundo
    no poema e no sentimento fundo.
    Gostei muito, Célia.
    Um bj.

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s