Já naquela época pressentia


Já naquela época pressentia que muito do que me dizias iria, anos mais tarde, quando não te tivesse mais junto a mim fazer todo o sentido.
Sim. Nós na verdade sabíamos todas as coisas, as mais simples de todas.
Para quê desejar saber de outras se a linha da vida passava ali entre nossas mãos?
Creio que achávamos tudo simples demais. Éramos demasiado jovens e sonhadores, sobretudo eu.

Tal como previste quase desisti. A vida tanto me edificou como esfarrapou.

Tu cresceste sim, tal como o que eu tanto desejara para nós.

Foi preciso nos perdermos sem que a vida nos concedesse qualquer trégua para algo mais senão a distância absoluta. Foi preciso percorrer desertos em silêncio para agarrar o som sumido da tua voz, o quanto somos, o quanto ainda nos possamos amar, pouco importa se nos voltaremos a ver ou não.

(©) Célia Moura, ‘monólogos descontínuos’

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s