SÉC. XXI


Art/e (c) Dina Bova Photography

SÉC. XXI
O mundo respira e se extingue de
Sangue a fervilhar na pele
Com garrotes no cérebro
E o sibilar de víboras
Nas outrora límpidas águas
Das fontes.

Tudo não passa de um filme repetido até à exaustão
Com maior intensidade,
Mais astuta a argumentação
No focinho das hienas.

O maior abismo é somente um reflexo deturpado
Da cabeça racional.

Quebra todos os espelhos!
Sai de dentro da tua cabeça,
Vem para fora de ti
Se tiver que ser
Enquanto o mundo ainda respira
Quantas vezes com balões de oxigénio
E transplantes de vísceras!

© Célia Moura – a publicar “Terra de Lavra”
(Dina Bova Photography)

Anúncios

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s