Para quê dormir se tenho toda a eternidade do que sou


(c) “Google”

Para quê dormir se tenho toda a eternidade do que sou, do que poderá existir para além disto aqui, para o fazer?

Quem me dera trabalhar sempre sem parar, sobretudo no que tanto me dá prazer, a arte, a comunicação e o marketing.
A venda por objectivos, os desafiosconstantes.
Quem me dera voltar atrás e nunca ter colocado à prova a minha saúde!

A insónia está a tornar-se uma companheira e estou a apaixonar-me por ela.

© Célia Moura