Chamo-te hoje


chamo-te-hoje

(c) “Google”

Chamo-te hoje,
Porque pensar-te
É a lâmina mais feroz.

Êxtase de te revelar segredos,
E te acolher no ventre, ó vagabundo,
Entre o pranto e o anoitecer,
Estremecendo vagas de solidão em aguaceiros de poesia.

Ó desconhecido de todos os desalentos,
Escancarando vida no umbral da porta,
Imaginei-te somente!

E, guardiã da tristeza intrínseca,
Baptizei-te alento,
Prenúncio de temporal.

Grito-te ainda,
Porque o silêncio a bailar entre risonhos girassóis,
É o tempo mais sublime,
Ânsia de ansiar
Nossos corpos esculpidos
Num sopro de infinito.

© Célia Moura – in “Jardins Do Exílio” (p. 64) – 2003; in “Enquanto Sangram As Rosas…” (p. 51), 2010

Anúncios

6 pensamentos sobre “Chamo-te hoje

Deixar um comentário:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s