Se ao menos o cansaço fosse efectivamente exaustão total e absoluta


Art/e (c) A. Braginsky painting

Se ao menos o cansaço fosse efectivamente
exaustão total e absoluta
se eu pudesse fechar todas as portas e ir embora
deste requinte onde os telefones
de tanto matraquear meu cérebro
não descansam
e me povoam de esquizofrenia
psiquismos além de eufemismos.

Ah, se ao menos entendesses o cansaço!

Se ao menos o cansaço te fizesse entender
quão frágil é o amor
e tremendo o meu mar agitado no Cabo das núpcias
onde te despiste de ti e fomos apenas tu e eu.

Ah, se toda esta exaustão
por uma só vez te recordasse o meu corpo
por me teres fodido
e eu soubesse,
até a minha morte valeria a pena!

© Célia Moura
(A. Braginsky painting)