COMUNHÃO


comunhão

Art/e (c) Vladimir Volegov Painting

COMUNHÃO
Eu queria sem mácula
As páginas das palavras libertas
Nas asas da ilusão
E rodopiar ao vento,
Em cinza,
As mágoas das gentes
No canto dos rouxinóis. Continuar a ler

Quero-te agora


quero-te-agora

(c) “Costa da Caparica/Google”

Quero-te agora,
meu mar revolvido em espuma,
meu amante.

Ébria te busco
pelo asfalto.
Invado todas as regras,
cativa desse esplendor,
que ascende ao limiar sedento de nós, Continuar a ler

Se me mordeis o sangue


se-me-mordeis

Art/e © Ümmü Kandilcioğlu Photography

Se me mordeis o sangue
Não me esfacelais a carne
Seda selvagem
Às estrelas oferecida!

E, nem atenteis contra o vento
Pois não podeis acariciar-me as penas
Ao pensamento lapidado
Na migração das andorinhas
Imponente nos meus claustros consagrados
De desdém! Continuar a ler

A Ternura Do Sangue


ternura-do-sangue

Art/e (c) Joe Bowler Painting

A Ternura Do Sangue
Na foz do teu corpo brando
de seda, de açucenas brancas
libertei o grito nutrido
de água, sangue, amor,… dor!

Na foz do teu corpo nascente,
parti.

Resplandeces ainda devoção,
pelo jardim suspenso na ilusão,
sorrisos teus Mãe
num botão de rosa, Continuar a ler

CONSAGRAÇÃO


consagração

Art/e (c) “As Mãos” – Sculpture by Rodin

CONSAGRAÇÃO
Clamais em alta voz
Às estátuas de bronze
E pedra ornamentada.

Clamais até emudecer
A desenfreada ânsia
Que tendes de infinito
E arduamente vos consome
Os dias e as noites,
Na voracidade, por vós mesmos gerada,
Em súbitos devaneios,
Insatisfeitos. Continuar a ler