Ele “amava-a” de tal modo que…

Ele “amava-a” de tal modo que após a primeira vez de a ter visto decidiu que seria sua custasse o que custasse.
Deu-lhe um mês para que o seu intenso amor fosse correspondido e como não conseguiu os seus intentos deu-lhe umas ‘facaditas’ no local do coração, banhando-se feliz no seu sangue. Continuar a ler

A minha velha coberta

velha-cobertaA minha velha coberta
Sempre que a minha Mãe me estendia uma velha coberta no quintal sob a nespereira que eu também ajudara a plantar, e por lá espalhava alguns dos meus brinquedos, com os quais eu me entretinha tardes inteiras, por ali ficava totalmente alheada, inclusive aos vizinhos que passavam. Continuar a ler

Orgulho de ser Mulher

orgulho_mulherOrgulho de ser Mulher
Madalena olhava aquele homem bem na sua frente e sentia-se cada vez mais agoniada. Nem queria acreditar que aquele senhor ao qual sempre tivera tanto respeito lhe pudesse fazer tal proposta!
Aliás, ter-lhe tocado ao de leve apesar de Madalena em pânico ter fugido Continuar a ler

EM SILÊNCIO I

10176074_621391581278001_4560368757122692882_n (1)EM SILÊNCIO, NO TEU SILÊNCIO – Capítulo I
Entre as incessantes reuniões quotidianas, Gibran sentiu uma voraz e súbita angústia na alma. Agarrou com força a cadeira, com receio de alguma tontura, permanecendo em silêncio. Não era normal, aliás não era nada normal num homem forte e sadio como ele, Continuar a ler

Sofia não vive, Sofia sonha!

10986908_805185986231892_8995893539735591739_nSofia não vive, Sofia sonha!
E bom, segundo Descartes “se penso logo existo”, e segundo eu se existo logo penso, então Sofia existe.

Sim existe fisicamente, tem um corpo, um rosto repleto de vida e jovialidade, tem uma mente sadia, é inteligente q.b., porém há tanto tempo que Sofia partiu! Continuar a ler

Já naquela época pressentia

Já naquela época pressentia que muito do que me dizias iria, anos mais tarde, quando não te tivesse mais junto a mim fazer todo o sentido.
Sim. Nós na verdade sabíamos todas as coisas, as mais simples de todas.
Para quê desejar saber de outras se a linha da vida passava ali entre nossas mãos? Continuar a ler

Carta de Despedida Para Uma Mãe

13238863_996203717095229_4512253945541131046_nMinha querida Mãe,
(carta baseada em casos verídicos)
Perdoa-me mas o meu amor por ti não me permitiu desabafar a intensa angústia que me rasga de alto a baixo neste momento em que te escrevo, sabendo que quando leres estas palavras já não estarei aqui para te confortar, para te abraçar, para te dizer “mãezinha por favor não chores mais, senão eu choro também”, Continuar a ler

Quando a Beleza se torna Maldição

11796347_853577298024539_5863064793106525487_nQuando a Beleza se torna Maldição

Lembram-se de Sofia?
Sofia quer falar, então eu vou deixar.
Vou ser sua narradora já que sou sua maior confidente ainda que não tenha habilitações de psicóloga, porém sempre fui sua melhor amiga desde a infância.

Por mais estranho que possa parecer Sofia agora perto dos cinquenta anos mas se sentindo a mesma menina de sempre, pois seu espírito não conseguira acompanhar todas as mazelas de seu corpo, Continuar a ler

Sofia “sentiu-se” Mulher

Sofia “sentiu-se” MulherSofia “sentiu-se” Mulher.
Sofia sentia-se hoje menos triste que o normal desde há anos, por breves instantes olhou-se no espelho e voltou a ver aquela que fora, antes de lhe terem arrancado não só a beleza como todos os sonhos devagar aos pedaços como quem saboreia um delicioso chocolate. Continuar a ler

Passo pela rua alheada de formas

passo-pela-ruaPasso pela rua alheada de formas e já nem tu me reconheces.
Olhas-me sem qualquer sorriso de esperança, sabendo que por mais museus que existam por descobrir, nenhum terá os mesmos encantos de há vinte anos atrás quando tudo era uma terrível descoberta de adolescência onde fazíamos amor nos poemas e nas ruas por onde caiam exaustas as últimas folhas de Inverno. Continuar a ler

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

1170813_513287148755112_1798524116_nVIOLÊNCIA DOMÉSTICA
(um texto com alguma ficção e bastantes factos verídicos)
Quando é que a Mulher terá sua ‘Carta de Alforria’ e todo o crime de violência doméstica seja físico, seja psíquico ou ambas as situações seja severamente punido ao ponto de um homem olhar para o tal chamado ‘sexo fraco’ aquela mulher que tanto amava, que ele mesmo escolheu para partilhar a vida e possa pensar duas vezes antes de a agredir, olhando-a nos olhos tendo a noção que no momento em que o fizer a sua vida deixará de existir. Continuar a ler

Escrita e Libertação

12417644_954636804620142_5925733569826516947_nEscrita e Libertação
O papel onde sempre escrevi era o irmão que não tinha, a amiga na qual eu sabia que poderia confiar e jamais me cobraria.

Não sei onde estão os meus primeiros poemas nem o meu diário de adolescência, porque hoje não o faço mais ainda que me fizesse bem. Continuar a ler