Mãe


Art/e (c) Leon Perrault

Mãe
Vou ali à aldeia cimeira comprar um pedaço de vento
Para o jantar e um sopro de luar para a ceia,
Beberei licor de rosmaninho e mel na eira
Mas trago-te um pouco na ternura dos olhos
E na volta quando doar meu corpo à ribeira
Não esquecerei o cântaro de barro
Que me ensinaste a colocar à cabeça
Sempre que na nossa casa chilreavam recém-nascidos
Os pássaros. Continuar a ler