ASAS DE AMOR – Antologia Erótica [Video-Poesia]



ver/ler em “full-screen” (ecrã inteiro)

Anúncios

É nesta exaustão


nesta-exaustão

Art/e (c) Steve Hanks Painting

É nesta exaustão
De nada
Pleno de cio e desalento
Que te oferto
Minhas sôfregas mãos
De Grito,
Primavera dos sentidos,
Sangue novo de amantes
E madrugadas concebidas
Em transe
De utopia
Licor
Xadrez, Continuar a ler

Não ouses perturbar meu coração


nao-ouses-perturbar

(c) “Google”

Não ouses perturbar meu coração, penetrar na minha dor ou na minha alegria!
Não ouses coisa alguma.
Não te atrevas em me provocar, porque na primeira cópula beberei teu sangue com requintes de uma louva-a-deus e com ele desenharei o nome de teus filhos que de mim hei-de gerar! Continuar a ler

Se Eu Fosse o Teu Poema


Art/e (c) Monika Luniak painting

Art/e (c) Monika Luniak painting

Se Eu Fosse o Teu Poema
Ah se eu fosse poema
Haveria de te degustar amada minha
Inteira tal como um trago de aguardente bem velhinha,
Sugar teus poros como aquele que se excita
Na prostituta mais imunda torneando a estrada
Como se torneasse teus mamilos
E ainda que viessem ninfas e
Orquídeas pelo meu sexo acima
Que me importaria! Continuar a ler

Todas as ausências me doem


todas-as-ausencias

(c) “Google”

Todas as ausências me doem
mas nunca nenhuma conseguirá morder-me mais violentamente do que a tua!

E ainda assim sabes-me a mel e a figos
com broa de milho neste entardecer de mim.

Sabes-me a aconchego
embrulhado num canto da sala embriagada a incenso…
Arruda, canela, mirra, lavanda
com velas plantadas pelo chão. Continuar a ler